sexta-feira, 16 de março de 2018

15 livros para o Pai e 2 para o Avô

#BibliotecaDaCasa
Rubrica mensal em que partilhamos com vocês alguns dos nossos livros preferidos!!

Começamos com o dia do Pai! E para este dia especial, a Casa do Brincar deixa 15 sugestões de livros, para o Pai, sobre o Pai, sobre ser Pai, para ler ao Pai, para ler com o Pai.
E dois para o Avô, que é pai duas vezes ;)

1. “Pê de Pai”, de Isabel Martins (+3anos)

"Um pai é mesmo uma pessoa muito especial. Capaz de se dobrar, desdobrar, encolher e esticar… um pai transforma-se, num passe de mágica, nos objetos mais incríveis. Ou será que nunca repararam nos pais transformados que andam por aí?
Pais-cabides, pais-ambulâncias, pais-aviões, pais-sofás, pais-escadotes, pais-travões… Basta abrir os olhos e observar. Um livro que olha de perto a relação de cumplicidade entre pai e filho. E que convida filhos e pais a descobrirem-se juntos ao virar de cada página." in Planeta Tangerina

2. “O Meu Pai”, de Antony Browne (+3anos)
"O livro ideal para filhos, filhas... e especialmente pais. Livro cartonado, ilustrado a cores. Um tributo aos pais num livro cheio de carinho.
«O meu pai podia ser um doutor ou um atleta, podia ser um dançarino ou um grande cantor. Mas é o MEU pai, que há-de gostar sempre de mim.»" in Editorial Caminho

3. “O Pai mais horrível do Mundo”, de João Miguel Tavares (+4anos)
"O jornalista João Miguel Tavares inspirou-se no seu filho Gui para retratar o mais antigo conflito doméstico: a vocação dos filhos para fazer asneiras e o esforço dos pais para os educar e proteger.
Com belíssimas ilustrações de João Fazenda, este é o livro ideal para todos os miúdos que acham os pais uns grandes chatos, e para todos os pais que ainda assim conseguem manter o sentido de humor." in Esfera dos Livros

4. “Eu e o meu Papá”, de Alison Ritchie (+3anos)
"«O meu Papá acorda-me todas as manhãs cedinho.
Faz-me cócegas no nariz e na testa dá-me um beijinho»

O pequeno urso e o seu papá fazem coisas maravilhosas. Vão passear pela montanha, nadam no rio à chuva, e contam histórias assim que as estrelas aparecem no céu. Fazem tudo juntos!
Uma calorosa e engraçada história que irá fazer qualquer criança e claro, o seu papá, sentir-se especial." in Minutos de Leitura

5. “O meu papá é grande, é forte, mas…”, de Coralie Saudo (+4anos)
"Todas as noites é sempre a mesma coisa. Este papá de gravata e com um ar exausto não quer ir para a cama e faz uma grande birra antes de se ir deitar. Por fim, depois de muitas negociações e de voltas e mais voltas pela casa toda, lá se consegue levá-lo. Mas ainda é preciso ler-lhe um livrinho antes da fatídica pergunta do costume: «Alexandre, meu filho, posso dormir na tua cama?»
Nesta história contada ao contrário, a inversão dos papéis diz-nos que um pai pode ser realmente grande e forte – como se constata no exercício de puro deleite em que consiste a visualização das ilustrações -, mas nem por isso deixa de precisar de colo ou de ter medo do escuro. O lado mais frágil da idade adulta consumada na paternidade alcança neste livro a doce melancolia de um tom sépia, que nos diz metaforicamente aquilo que poucas vezes deixamos transparecer." in FNAC

6. “O Pai Galinha e o seu Pintainho”, de Bernardino Pacheco (+4anos)
"A história de um pai com coração de mãe. Um livro que nos revela que o amor de pai é tão incondicional como o de mãe. Bernardino Pacheco fugiu ao cliché quando criou um Pai que tem tanto de super-herói como de fada do lar." in FNAC

7. “Eu quero o meu papá!”, de Tracey Corderoy (+3anos)
"«Há dias em que precisamos mesmo do nosso papá!
Pois para o Artur, esse era um desses dias!
Quando o seu castelo se desmorona e não há forma de o manter de pé, quando faz um dói-dói e parece que há até monstros no lago… Nesses momentos, pela ajuda e conforto como mais ninguém consegue dar, há apenas uma solução… gritar bem alto:
—Eu quero o meu papá!»
" in Minutos de Leitura

8. "O pai é Top", de Marcos Piangers
"Um livro na primeira pessoa sobre ser pai nos dias de hoje.
Uma homenagem a todos os pais que lutam para cuidar dos seus filhos, para estar presentes na sua vida e ser um exemplo para eles.
Escrito pelo conceituado humorista brasileiro que faz furor nas redes sociais, Marcos Piangers, relata na primeira pessoa a experiência de ser pai nos dias de hoje conseguindo fazer rir e emocionar o leitor." in Planeta

9. "As gravatas do meu pai", de Pedro Seromenho (+7anos)
"Esta é a história de um menino que tinha pressa de crescer. Ele achava que, se usasse uma das gravatas do seu pai, se tornaria num senhor alto e importante! Por isso resolveu experimentá-las uma a uma, fossem estas felizes, preguiçosas, apaixonadas, aventureiras ou despistadas. Mas nenhuma condizia com aquilo que sentia." in Paleta de Letras

10. "Não berres comigo, pai!", de Moni Port e Philip Waechter (+4anos)
"O pai da Helena não sabia falar normalmente. Tudo o que dizia saia-lhe da boca aos berros. A Helena estremecia mas, só por dentro. Até que um dia tomou uma decisão que deixou o pai mudo e calado. Ou quase…. Uma história que mostra como às vezes, muitas vezes aliás, os filhos também podem ensinar os pais." in Livros Horizonte

11. “O Meu Pai é Um Homem-Pássaro”, de David Almond (+10anos)

"Esta é a história da pequena Lizzie que, após a morte da mãe, se vê obrigada a desempenhar o papel de adulto perante o seu pai. Jack vive num mundo seu e, para se aproximar do pai, a jovem Lizzie começa a preparar a chegada dos participantes no Grande Concurso do Homem-Pássaro, que irá decorrer na povoação onde vivem.
Todos podem participar, basta que queiram atravessar o rio a voar. O pai de Lizzie é um dos participantes no Grande Concurso, e acredita que com as suas asas feitas de penas verdadeiras, conseguirá voar sem dificuldades. Será mesmo verdade? E Lizzie conseguirá acompanhar o pai neste voo? Uma aventura fantástica repleta de carinho e momentos divertidos." in FNAC

12. "Foi o Meu Pai que me Disse", de Pauline Martin e Astrid Desbordes (+4anos)
"«O Gonçalo observa as andorinhas no céu. − Vão para o outro lado da Terra − explica o pai. − Também posso ir tão longe quando for grande?»
É assim que começa mais um livro encantador em que o pequeno Gonçalo é o protagonista. Desta vez, explora-se a relação pai-filho, num diálogo curioso, rico e comovente, acompanhado de ilustrações certeiras. Um livro que nos pertence a todos, que nos comove do princípio ao fim e que nos relembra como é crescer, percecionar o mundo e seguir o nosso caminho pela vida." in Edicare

13. "Pai Querido Pai", de Luisa Ducla Soares (+4anos)
"O Meu PAI é o melhor. Tenho a certeza que, para ti, o Teu PAI também é o melhor.
Para todos nós, o Nosso PAI é único, especial e o mais querido de todos. Quer seja bombeiro ou domador, futebolista ou agricultor, banqueiro ou professor, informático ou pintor, o PAI é aquele que está sempre presente, que tem uma solução para tudo, uma brincadeira para nos animar e uma palavra amiga com que nos brindar.
PAI, QUERIDO PAI é uma homenagem ao meu, ao teu e a TODOS os PAIS deste mundo." in Leya Online

14. "O meu pai é um biscoito - ioga para pais e filhos", de Baron Baptiste (+6anos)
"Esta obra oferece às crianças, de uma forma descontraída e divertida, uma primeira abordagem ao Ioga. O Ioga ensina os mais novos a sentirem-se bem dentro dos seus corpos e ajuda-os a fazerem escolhas com os seus corações. Este é um auxiliar precioso, tanto para crianças como para educadores." in Livros Horizonte

15. "Um papá à medida", de Davide Cali e Anna Laura Cantone
"Esta é a história de um menino que procura um “papá” que “combine” com a sua extraordinária “mamã”, uma mamã que, além de jogar matraquilhos e berlindes, de saber andar de patins, fazer contas de cabeça e fazer puzzles, é maior, mais forte, mais bonita, mais inteligente e mais desportista do que as outras mamãs."


E ainda duas sugestões para o avô:
"O meu avô”, de Catarina Sobral
"Para os avôs (que são pais a dobrar) este livro, premiado com o Prémio Internacional de Ilustração da Feira do Livro de Bolonha de 2014, é ideal. Conta a história do Avô e do Dr. Sebastião. Duas personagens, dois tempos diferentes.
«O meu Avô acorda todos os dias às 6 da manhã. O Dr. Sebastião acorda às 7. Cruzam-se todos os dias à mesma hora. O meu Avô já teve uma loja de relógios. Agora tem bastante tempo. O Dr. Sebastião não é relojoeiro nem tem tempo a perder. O meu Avô tem aulas de alemão e aulas de pilates. Escreve cartas de amor (ridículas) e faz regularmente piqueniques na relva, comme il faut. Depois, ainda tem tempo para ir buscar-me à escola… De Pessoa a Manet, de Almada a Tati, um livro repleto de referências artísticas.»" in Orfeu Negro

"Como tomar Conta de um Avô”, de Jean Reagan
"Nas páginas deste livro, vais encontrar dicas essenciais para aprenderes a tomar conta do teu avô, incluindo:
• Como brincar com um avô (podem construir uma gruta de piratas, por exemplo);
• Coisas para fazer durante um passeio (quer chova ou faça sol);
• Os petiscos que um avô adora. Da próxima vez que o teu avô tocar à campainha, vais estar mais do que preparado para ocupar o vosso tempo. (Assegura-te de que tens à mão os lápis de cera, os tubarões de plástico e o ketchup!)" in FNAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

Quem somos

A Casa do Brincar tem portas abertas para a rua e o horizonte a ver-se da janela. Tem risos, confusão, balbúrdia, imaginação e muito, muito...